O que você precisa saber para ter sucesso na amamentação

Foto: Barbara Pata Fotografia e Turismo

Foto: Barbara Pata Fotografia e Turismo

É curioso como algo que deveria ser tão natural, como a amamentação, gera tanta insegurança e o medo de não ter sucesso na mesma é enorme. Eu sei, não vivemos em estado natural há muito, muito tempo, mas ainda assim tenho um certo receio de que, simplificando muito o raciocínio, a espécie humana esteja perdendo uma capacidade ao longo da evolução. Muitas coisas influenciam para que isso aconteça, em especial a forma como vivemos, como toda a experiência da maternidade vivida tem seu peso.

Mas o fato é que a grande maioria das mulheres é plenamente capaz de amamentar. Sim, existem mulheres que não vão conseguir amamentar porque não produzem nada de leite, por exemplo, ou porque produzem pouco, como nos casos de algumas mulheres que passaram por cirurgia nos seios, seja para colocação de implantes, seja para uma mamoplastia. Existem também mulheres que amamentam sem problemas um filho, mas o outro não… Contudo, é preciso sempre ter em mente que elas são uma exceção, e não a regra.

Dentre todo o processo, há coisas pontuais que você precisa saber, que podem ser a garantia de uma amamentação de sucesso:

  • Você é plenamente capaz de nutrir o seu bebê.
  • Nem sempre é fácil, é preciso ter dedicação – inclusive quando tudo vai bem.
  • Lembre-se que tanto você, quanto o seu bebê, estão se ajustando a esta nova prática e o aprendizado acontece em conjunto.
  • O bebê deve abocanhar toda a aréola do seio (ou o máximo possível) e não só o bico.
  • Ele deve estar “barriga com barriga” com você.
  • Bebês recém-nascidos são muito sonolentos e precisam de estímulo para mamar: alterne as posições das mamadas, por exemplo.
  • O leite materno possui três fases distintas, a saber:

1ª fase – O leite é mais “aguado”, translúcido e tem maior concentração de água para  saciar a sede do bebê;

2ª fase – O leite começa a ter uma aparência mais esbranquiçada e há predominância de proteínas, as quais são necessárias para o desenvolvimento do organismo do bebê;

3ª fase – O leite é mais “forte”, branco, e há predominância de gordura, que é necessária para o ganho de peso do bebê.

Os dois primeiros leites, por serem “leves”, podem ficar estacionados nas cavidades abdominais do intestino imaturo do bebê, provocando as “cólicas”. Porém, quando o bebê chega no leite posterior (3ª fase) que é rico em gordura e mais grosso, ele acaba funcionando como uma “vassourinha” que limpa os resíduos dos leites 1 e 2.

E por falar em cólica, ela deve ser encarada como um processo natural que ocorre durante a maturação do intestino do bebê, o que acontece por volta dos 3 meses. O aleitamento materno exclusivo nesta fase é fundamental, porque a sucção do bebê ao seio leva o leite por gotejamento, muito delicadamente, o que faz com que o bebê sinta o mínimo de dor possível. Muitas vezes, é necessário também que o bebê arrote no intervalo entre as mamadas para diminuir o acúmulo de gases no interior do seu intestino. Esses gases são os grandes responsáveis por provocar as cólicas. O uso de outros leites neste momento pode prejudicar e irritar a sensível parede intestinal do bebê, podendo provocar fortes cólicas.

Além disso, quanto mais equilibrada e saudável for a dieta da mãe, mais o bebê se beneficiará. Não existem restrições alimentares. Mas é esperado que a mãe mais tranquila, segura e feliz no ato de amamentar tenha um bebê mais tranquilo, seguro e igualmente feliz!

Se a mãe vier a ter fissuras ou rachaduras, as quais podem ser extremamente dolorosas, a orientação é que ela tente suportar a dor e continue amamentando. Isso evitará o empedramento das mamas, o entupimento dos ductos e até mesmo as mastites, que são a inflamação das glândulas mamárias. Se a mãe produz muito leite e o bebê não consegue dar conta da demanda (engasgando, por exemplo), recomenda-se que a mãe ordenhe um pouco as mamas antes de cada mamada.

Nada deve ser usado no seio, além do próprio leite materno, que possui potente efeito cicatrizante em casos de fissuras. Deve-se também manter as mamas sempre secas, podendo tomar sol moderadamente.  Não é necessário que a mãe utilize nenhum recurso para aumentar a produção do seu leite. O grande segredo é uma pega correta, além de uma boa hidratação, bastante descanso e a manutenção da amamentação em livre-demanda!

Share Button
  • Didy Fernandes

    Maravilhoso o post! Por essas e outras to no segundo baby e nada de cólicas em minha vida materna!

    • Simone De Carvalho

      Que bom Didy, parabéns querida!

  • Pingback: O bebê pode tomar fórmula na maternidade?()