O que você deve saber sobre o sal

 

Imagem Google

Imagem Google

 

Em março deste ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou atualizações para as diretrizes alimentares, sendo incisiva sobre um ponto: o sal não deve fazer parte da alimentação de crianças menores de 2 anos. A organização foi categórica ao enfatizar que após os primeiros 6 meses de vida, o leite materno deve ser complementado com uma ampla variedade de alimentos, e que tanto o sal, quanto o açúcar, não devem ser adicionados a esses alimentos.

A pressão alta na infância tem uma associação significativa com o mesmo problema na vida adulta, o que significa um maior risco de desenvolver doenças ligadas à hipertensão, como as doenças cardiovasculares. Por isso é tão importante dar atenção precoce ao problema.

Deve-se prestar especial atenção ao fato de que o sódio é encontrado em quantidades muito elevadas em alimentos industrializados que são frequentemente (e erroneamente) associados a bebês em fase de introdução alimentar e a crianças pequenas. Para se ter uma idéia da dimensão do problema, encontram-se abaixo as quantidades de sódio presentes em alguns desses alimentos. Os dados foram extraídos da Tabela TACO – Tabela Brasileira de Composição de Alimentos:

Biscoito de polvilho = 930 mg a cada 100 g

Bolachas de maisena = 352 mg a cada 100 g

Petit suisse = 412 mg a cada 100 g

Pão de queijo = 510 mg a cada 100g

Macarrão instantâneo = 1516 mg a cada 100 g

(Nota sobre os alimentos destacados acima: crianças menores de 1 ano não devem receber leite de vaca integral nem seus derivados.)

 As primeiras indicações para a ingestão de sódio para as crianças são a partir dos 2 anos, variando de acordo com os requerimentos energéticos para a idade, não devendo ultrapassar 2 gramas de sódio – ou menos de 5 gramas diários de sal (pouco menos de 1 colher de chá) – que é o limite máximo de ingestão para um indivíduo já adulto.

Segundo a Paola B. Preusse, nutricionista infantil e autora do blog Maternidade Colorida, a adição de sal com moderação nas comidas das crianças com mais de 2 anos é importante, pois o mesmo é enriquecido com iodo, um mineral importante para o nosso organismo e que nem sempre é ingerido em quantidades suficientes só com a alimentação. Mas enfatiza que o gosto da comida deve ser dado pelos temperos que são utilizados, e não pelo sal, ou seja, a comida não precisa ter gosto salgado. O post dela completo sobre sódio, iodo e sal encontra-se aqui.

Beijos,

Helô

 

REFERÊNCIAS:

http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs393/en/

http://www.unicamp.br/nepa/taco/tabela.php?ativo=tabela

Share Button