10 coisas que aprendi maternando e uso no mundo corporativo

10 coisas que aprendi maternando minha filha

É fato: quando decidi maternar por um tempo e entrei neste exercício diário, eu realmente nem imaginava o que esperar. O que foi bom, porque com tantos ônus e bônus, se eu soubesse dos detalhes talvez, como boa libriana, não tivesse conseguido me decidir. Fui aprendendo tantas coisas nestes últimos dois anos que resolvi fazer um paralelo entre minha vida profissional e esse curso de formação profissional intenso no cargo de mãe, e listei 10 coisas que aprendi maternando e uso no mundo corporativo:

1. SER MULTIFUNÇÃO – Sou capaz de abrir uma pomada com a boca enquanto faço contorcionismo na coluna e nas pernas, segurando um bebê saltitante e abrindo a fralda ao mesmo tempo. Hahahaha, você acha que depois disso não consigo digitar enquanto atendo o telefone em uma empresa?

2. OTIMIZAR OS GASTOS DA EMPRESA – Só quem compra fralda descartável sabe o preço da brincadeira. Mãe comum que sou, já cheguei a deixar a fralda tão pesada que o bebê não estava nem conseguindo engatinhar mais. Aprendi princípios básicos de economia. Você acha que vou ficar gastando impressão e papel sulfite à toa, ou mesmo copinho de plástico,  em qualquer corporação?

3. ATENDIMENTO E EXCELÊNCIA – Atendo o meu bebê imediatamente em qualquer demonstração de incômodo ou necessidade. Se chora então, pulo de onde eu estiver, em plena madrugada gelada, para responder ao seu chamado de mamãe. Essa criação com apego é fogo, viu?! Tenho certeza de que é isso que meu líder espera de mim quando pensa naquela conta chave chamada “cliente de ouro” em qualquer empresa. Atendimento rápido e focado em suas necessidades. Ah, vá, tiro isso de letra!

4. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL – A criação respeitosa consiste em perceber o ser humano como único e, principalmente, em entender o seu tempo. O momento certo para cada ação, seja a introdução alimentar, o desfralde, o desmame e por aí vai. Nada de forçar a barra para que as coisas sejam prazerosas e leves. Parece simples, mas não é. Isso demanda uma inteligência emocional absurda da mamãe aqui. Controle de ansiedade, medos, inseguranças, fracassos e sucesso. Sabia que uma das qualidades que as empresas mais procuram nos seus empregados hoje em dia é esta tal de inteligência emocional? Virei PhD nisso! Pode me contratar sem erro.

5. GERENCIAMENTO – Atire a primeira pedra a mãe que, em um único dia, nem que tenha sido só um, não conseguiu dar um tapa na casa, fazer comida, dar peito, ninar, amar, brincar, resolver pendências na rua, se estressar pacas, voltar ao estado emocional da calma, cuidar da roupa, da louça e ainda arrumou tempo para tomar banho? Essa sou eu, essa é você, essa somos todas nós mães. Quem aí ainda tem dúvida de que somos fodonas na arte de gerenciamento do tempo? É isso também que uma empresa quer de seus funcionários, não é?!

6. NEGOCIAÇÃO – Sabe aquela hora em que a criança não quer fazer nada daquilo que você gostaria, e você, atrasada para assumir mais um milhão de coisas que vem pela frente, pensa imediatamente em mandar tudo às favas? Mas daí você se lembra de que este comportamento não te levaria a lugar nenhum, e então você incorpora a líder de equipe, com ótima comunicação e habilidades de negociação, tentando convencer uma pirralhinha de dois anos para que ambas saiam ganhando? Caraca, foi isso que aprendi nos muitos cursos de negociação que fiz. O sucesso de uma boa negociação é o ganha/ganha. Ah, por favor vai, ainda está pensando em quão boa profissional eu sou?

7. CONTROLE EMOCIONAL E PODER DE DECISÃO – Sabe aquele dia em que está tudo do avesso, desde a casa até seu emocional, e se já não bastasse, quando você pisca, seu bebê cai do sofá e começa aquele berreiro? O que a gente faz? Larga tudo e socorre a cria, mostra que é forte para não chorar junto. Se sangrou então, faz o que? Faz cara de alface e finge que está tudo bem, como se nada tivesse acontecido. Isso se chama controle emocional e poder de decisão. Você sabe o que fazer e como fazer sem ninguém te ensinar. Eu me sinto tão fodona nestas horas, meu Deus! Qualquer empresa pode me contratar de olhos fechados. Eu sei o que fazer, só não me pergunte como, porque só vou saber na hora do incêndio.

8. TRABALHO EM EQUIPE – Sozinhos podemos chegar em algum lugar, mas juntos podemos ir sempre mais longe, certo? É assim que me sinto quando preciso definir coisas muito importantes, destas coisas simples que uma única decisão pode abalar o psicológico do meu filho para sempre, e aí eu conto com minha equipe: o pai! O lindo homem que escolhi para criar minha filha. Empresa, eu sei compreender e aceitar o ponto de vista do outro, e sei aceitar os meus erros. Definitivamente, eu sei trabalhar em equipe.

9. FOCO – Esta competência não preciso nem me estender por demais, né?! Com milhões de coisas para fazer em um único dia, se eu não tivesse foco, já teria matado a mim e à minha cria de fome, simples assim. A gente acorda e só pensa no que fazer primeiro, vai elaborando as prioridades e vai produzindo que nem uma britadeira.

10. TRABALHAR SOB PRESSÃO – E para finalizar, ficamos meses sem dormir uma noite completa, esquecendo por aí onde a gente se perdeu, vibrando com um bom banho, fazendo sexo rapidinho, tendo como programa da vida fazer a unha, sorrindo e morrendo de amor só porque vimos uma boca banguela (mesmo que na outra extremidade o treco esteja lotado de bosta), recusando programas mesmo morrendo de vontade de ir, simplesmente porque nossa prioridade agora é o bem estar do bebê e, por isso, deixamos para depois as nossas necessidades básicas… Nossa!!!!!! Ufa! Será que alguma empresa ainda acredita que eu não saiba trabalhar sob pressão?

Com certeza, eu deveria anexar este texto ao meu curriculum!

Este texto eu fiz para a minha filha, aquela linda menininha que precisei adaptar na escola para que eu voltasse a trabalhar.

Beijos!

Share Button